sábado, 28 de abril de 2012

Capítulo 18 – Agonia

_Você tem certeza que isso é necessário?
_Tenho, você sabe o perigo que essa criança representa.
_Ela é sua filha, não significa nada?
_Você sabe muito bem que ela não é minha filha Paul. Por que é tão importante pra você? 
_O meu filho não vai suportar isso, ele vai morrer sem ela.
_Eu sinto muito por ele, mais isso tudo começou quando você o trouxe aqui a meses atrás pra matar ela. Agora o que devia ter sido feito a meses vai ser feito agora.
_Então é minha culpa? E isso que esta dizendo?
_Não, mais é bom que o Joe aprenda a viver com isso, pois se não...
_Se não o que?
_Vamos ter que matar ele também. Você sabe que é necessário.
_Eu... Eu sei_ concordou.

Eles se entreolharam por um momento até que Daiana entrou no escritório feito uma louca.

_Marcus o que você pensa que esta fazendo?
_Agora não Daiana.
_Ah, você vai me ouvir. Ela é nossa filha, você não pode fazer isso.
_Ela não é nossa filha, ela destruiu nossa vida.
_Por que você ta fazendo isso? O que foi que te deu? Eu achei que você tivesse superado isso.
_Não finja que você não se importa.
_Eu não me importo. E se você encostar um único dedo na minha filha, eu nunca mais olho na sua cara ta ouvindo?_ ameaçou.
_Você prefere ela a mim? Me deixaria por causa dela?
_Sem nem pensar duas vezes_ garantiu.

Lhe lançou um olhar assassino e saiu batendo a porta.

_É amigo, você esta com sérios problemas_ Paul disse.
_Eu não sou o único, aposto que sua esposa também não vai gostar do que vamos fazer.
_Eu não vou matar o meu filho.
_Por enquanto não é necessário, mais e depois? 
_Eu prefiro ignorar essa possibilidade.
_Pois eu não ignoro nenhuma possibilidade, e se ele não se controlar, vamos ter duas mortes ao invés de uma.

Enquanto isso no quarto da Demi...

_Joe, para com isso_ pediu pela milésima vez.
_Eu não vou deixar eles fazerem isso.
_Não adianta, eles não vão abrir.
_Então faz alguma coisa, derruba a porta_ sugeriu.
_Você sabe que eu não posso. Meus poderes não funcionam desde que engravidei.
_Inferno_ socou a porta zangado.

Ele se virou para olhá-la e viu as lágrimas que desciam por seu rosto de anjo. Sentou a sua frente e tirou o pequeno objeto do bolso.

_Acho que isso é seu_ mostrou o cordão a ela.
_Você o encontrou_ sorriu.
_É, ve se não perde mais_ brincou.

Colocou no pescoço dela, ela segurou com força e o olhou agoniada.

_Não me olha assim, você parte meu coração.
_Eu nunca pensei que chegaríamos a esse ponto. Estava tão feliz com essa historia de ser mãe.
_Você ainda vai ser, e eu vou ganhar cem pratas quando nascer e for uma menina.
_Eu te amo tanto. Acho que essa é nossa trágica historia.
_Não vai te acontecer nada. Eu não vou deixar.
_Eu não tenho medo de morrer_ sorriu_ já vivi tempo demais. A única coisa que me preocupa é perder você.
_Você não vai me perder, por favor, para com isso_ implorou, deixando que uma lágrima descesse por seu rosto.
_Me perdoa por te fazer passar por isso.
_Demi.

Ele a abraçou apertado, deixando que a tristeza e angustia tomassem conta de seu corpo, as lagrimas desceram sem permissão, aquela agonia não ia acabar? O silencio permaneceu por vários minutos até que a porta do quarto se abriu.

_Nick? Graças a Deus_ Joe sorriu_ você precisa ajudar agente.
_Olha, fica calmo ta?
_Você vai ajudar agente a sair daqui não vai?
_Eu... Não posso.
_Como assim não pode?_ Demi perguntou confusa.
_Você traiu a confiança de todos Demi, essa criança que você esta esperando é um perigo pra todos nós, você devia saber disso.
_Você ta do lado deles?_ Joe perguntou indignado.
_Eu estou do lado que é melhor pra todos.

Ele fez um sinal com a mão e dois vampiros entraram, seguraram os braços do Joe assim como da primeira vez e Nick injetou o veneno nele.

_Isso é pro seu bem.
_Essa é a solução de vocês, me envenenar?
_É pra que você não faça nenhuma besteira.
_Eu achei que você fosse meu amigo.
_Eu sou, é por isso que estou fazendo isso. É pro bem de todos... Ela tem que morrer.
_Você é um hipócrita, assim como todos os outros_ Falou irritado.
_Depois de tudo que passamos? Como você tem coragem?_ Demi sussurrou.
_Eu não vou arriscar minha vida por um erro seu. Sinto muito.

Guardou a seringa e saiu do quarto trancando a porta.

_Está todo mundo contra nós.
_Não precisamos dele. O Nick é um traidor.
_Eu já devia saber que não ia ter ninguém pra nos defender.
_Desculpa?
_Não é culpa sua Joe.
_Eu daria qualquer coisa pra que isso não tivesse que acontecer.
_Eu sei que sim. Mas agora não adianta mais pensar no que poderíamos ter feito. Eu não quero perder nenhum minuto que ainda tenho com você.
_Ainda vamos ter muito tempo juntos.
_Eu não tenho esperanças.
_Para com isso_ reclamou.

Se levantou da cama exaltado, o pessimismo de Demi só fazia aumentar sua agonia, não conseguiu segurar as lágrimas que insistiam em descer. Levou as mãos ao rosto tentando esconder a tristeza, ela segurou sua mão e o puxou fazendo com que ele sentasse novamente.

_Desculpa por isso, mais é a verdade.
_Eu não me conformo...
_Para, eu não quero perder tempo discutindo.

Sentou no colo dele, colocando as pernas uma em cada lado de sua cintura, segurou o rosto dele em suas mãos e o beijou. Ele estava inquieto, incomodado com a situação, a afastou delicadamente.

_Eu não posso_ sussurrou.
_Ta tudo bem. Só, esqueça o resto, somos só eu e você.

Fitou a profundidade de seus olhos por um momento que pareceu não ter fim, então a segurou firme contra seu corpo e a jogou na cama sem cuidado, selando seus lábios nos dela desesperadamente, como se aquele fosse o último beijo, e talvez fosse. Naquele momento não havia tempo e nem motivos pra pensar nos problemas, afinal eles talvez não tivessem outra oportunidade de estar juntos de novo.

Na casa dos lobisomens...

_Isso não vai dar certo, ele não vai suportar.
_Eu sei querida, mais é necessário.
_Pai, vocês não podem fazer isso, é uma loucura_ Kevin protestou.
_É o melhor pra todos, e preciso que você esteja lá na hora, pra ajudar a acalmar o Joe, se não...
_Se não o que? Vai matá-lo também?
_Se for preciso. Agora reúna todos, temos que ir a casa dos vampiros.
_Vocês vão transformar isso num show?
_É a tradição deles, é assim que tem que ser.
_Eu não acredito nisso, mãe fala alguma coisa.
_Eu...
_Não sou eu que estou fazendo isso, é o Marcus.
_É mais não esta fazendo nada pra impedir. Se pensar assim faz você se sentir melhor... Então tudo bem, mais eu não vou participar disso_ deu as costas irritado.
_Kevin, volta aqui.
_Me esquece_ gritou.
_Inferno.

Narrado pela Demi

Estávamos deitados na cama abraçados, o silencio mortal permanecia. Era tão bom estar em seus braços, me sentia segura.

_Vou sentir falta disso.
_Do que?
_Ficar assim, abraçada com você. Eu gostaria de poder ficar aqui pra sempre.
_Ainda teremos muito tempo pra fazer isso.
Eu suspirei certa de que isso não aconteceria.
_Demi...
_Não importa o que vai acontecer agora, depois de hoje as coisas nunca mais serão iguais. Você sabe disso muito bem.
_Vai acabar logo, nós vamos dar um jeito.
_Nenhum dos finais possíveis pra isso me agrada. Em todos eles eu saio perdendo.
_Como assim?_ ele questionou confuso.
_Eu posso morrer agora...
_Isso não vai acontecer_ me interrompeu.
_Eu posso sair daqui viva, mais provavelmente não sobreviver à gravidez.
_Demi...
_Ou eu posso ter essa criança e perder tudo, minha família, meus amigos... E ser perseguida pelo resto da vida, nunca mais ter paz.
_Ou Marcus pode desistir dessa loucura e nos deixar em paz. Ai poderemos ter nossa vida de volta.
_Essa possibilidade não esta na minha lista_ confessei.
_Mais esta na minha.

Eu bufei zangada, não seria fácil lhe dar com isso, ele não entenderia. Eu realmente não tinha medo de morrer, mais não queria ter que deixá-lo, ele não sobreviveria sem mim.

No escritório...

_Mandou me chamar?
_Sim Selena, eu preciso que você me faça um favor.
_Favor? Pra você? Porque eu deveria?
_Porque eu te dei abrigo e te criei como uma filha.
_Quem cuidou de mim foi a Demi, não você. E por acaso você pretende matá-la em algumas horas.
_É uma coisa simples_ insistiu.
_O que?
_Quero que você va no quarto e a tire de lá. Leve-a pro quarto vazio.
_Porque você mesmo não faz isso, ou manda um dos seus?
_Porque ela confia em você. Via evitar um escândalo, uma confusão.
_Eu não vou enganá-la, não me peça isso.
_Eu não quero que a engane, ela sabe muito bem o que vai acontecer. So quero separar aqueles dois enquanto ainda da tempo, depois vai ser pior...
_E devia te mandar ir pro inferno.
_Não vai?
_Não. Eu vou fazer isso, mais porque acho que seja melhor assim. Não por você.
_Ótimo. Obrigada.
_Não me agradeça.

Deu as costas e saiu, deixando ele sozinho.


Um comentário:

  1. Coitada da Demi.
    Estou ficando cada vez mais anciosa.
    Amo sua fic.

    ResponderExcluir